Post by Pietro Arnaud 1⃣8⃣0⃣1⃣8⃣📍 (@pietroarnaud)

August 2017

“Quando um arco-íris aparece luminoso no céu, você pode contemplar suas belas cores, mas não pode pegá-lo e usá-lo como uma roupa. O arco-íris nasce de uma conjunção de diferentes fatores, mas nada nele pode ser apreendido. O mesmo se dá com os pensamentos. Manifestam-se na mente, mas são desprovidos de realidade tangível ou de solidez intrínseca. Nenhuma razão lógica justifica, então, que os pensamentos – que são insubstanciais – disponham de tanto poder sobre a pessoa, não há nenhuma razão para que você se torne seu escravo. A infinita sucessão de pensamentos passados, presentes e futuros nos leva a acreditar que existe alguma coisa que estaria ali de forma inerente e permanente. Mas, na verdade, os pensamentos passados estão mortos quanto os cadáveres, e os pensamentos futuros ainda não surgiram. Então, como essas duas categorias de pensamentos que não existem poderiam constituir uma entidade que seja existente? E como o pensamento presente poderia se apoiar em duas coisas inexistentes? Contudo, a vacuidade dos pensamentos não é simplesmente um vazio, como se pode dizer do espaço. Há ali presença, uma consciência espontânea, uma clareza comparável àquela do sol que clareia as paisagens e permite ver a montanhas, os caminhos, os precipícios.  Ainda que a mente seja dotada dessa consciência intrínseca, afirmar que há uma mente é colar o rótulo de realidade sobre algo que não o é, é anunciar a existência de uma coisa que é apenas um nome dado a uma sucessão de acontecimentos. Podemos chamar de ‘colar’ o objeto feito de pedras enfiadas num fio, mas esse ‘colar’ não é uma entidade dotada de existência intrínseca. Quando fio arrebenta, onde está o colar?” Dilgo Khyentsé Rinpotche #dilgokhyentserinpoche #budadharma #tibet #vacuidade #mente #rigpa #buda #dalailama

38 likes

2 comments